Simpósio Nacional de Geografia Urbana

GT-10: Práticas culturais na produção da cidade

Coordenadores: Aureanice de Mello Corrêa (UERJ), Jorge Barbosa (UFF), Nécio Turra Neto (UNESP) e Otávio José Lemos Costa (UECE)

 

O grupo de trabalho pretende discutir a centralidade da dimensão espacial para a compreensão das manifestações culturais de diferentes grupos sociais urbanos. Essa perspectiva analítica implica em valorizar a indissociabilidade entre tempo e espaço. Tradicionalmente, as diversas manifestações culturais nas cidades foram entendidas como eminentemente ligadas às temporalidades, sendo as espacialidades relegadas ao segundo plano. Trazer a dimensão espacial para o centro da análise significa, sobretudo, considerar o espaço não apenas como um palco em que as manifestações culturais urbanas acontecem, mas entendê-lo como construção social, histórica e geográfica concreta e, como tal, participante ativo e condicionante das formas e manifestações culturais urbanas.

Os desafios para a compreensão das práticas culturais na produção das cidades envolvem o entendimento do urbano como espaço, por excelência, de desigualdades de acesso a moradia, ao trabalho, ao lazer, aos estudos, bem como do acesso aos bens de consumo coletivo etc. Por outro lado, essa compreensão estaria incompleta sem a consideração das possibilidades que os distintos grupos sociais têm de, por intermédio de suas práticas espaciais, romper e contornar as imposições da cotidianidade, para recorrer a autores como M. de Certeau ou mesmo H. Lefebvre. A valorização dos elos entre ação política e arte no espaço urbano, por exemplo, passa pelo reconhecimento de ações culturais que amplificam reivindicações sociais e pela identificação de usos do espaço urbano pelos movimentos sociais, com suas formas de apropriação subjetivas, que evidenciam suas identidades e territorialidades. Nesta perspectiva, as práticas culturais que produzem o urbano incluem a disputa de capital simbólico na cena urbana, discursos, imagens, conflitos e lutas sociais, que tornam a política elemento chave na discussão.

Trabalhos aprovados no GT-10

 

1. ALINE CRISTINA GOMES DA COSTA. REVELAÇÕES DE UMA CIDADE OCULTA: SÃO PEDRO DA CIPA – MT

2. ANDRE SANTOS DA ROCHA. ESPAÇO URBANO E RELIGIÃO: SOBRE A ESPACIALIDADE EVANGÉLICA E A DINÂMICA PENTECOSTAL NA BAIXADA FLUMINENSE

3. ARTHUR PEREIRA SANTOS. PAISAGENS DA DESMEMÓRIA E A TRAGÉDIA DO COMUM

4. CARLIANE ALVES GOMES SANDES. DA ROCHA AO MAR É TEMPO DE FESTEJAR, OPTCHÁ!

5. CLAUDIO SEBASTIÃO BARBOSA GUIMARÃES. PAISAGEM SONORA: O CASO DE CONSERVATÓRIA, DISTRITO DE VALENÇA/RJ

6. ELIANA KUSTER. A CIDADE QUE HABITA EM NÓS: METRÓPOLES E CRIAÇÃO DE SUBJETIVIDADES

7. ELVIS REIS DE OLIVEIRA, JAERLE RODRIGUES CAMPÊLO. “IÊ, VIVA A CAPOEIRA, CAMARÁ!”: APROPRIAÇÃO DO TERRITÓRIO PELA CAPOEIRA NA CIDADE DE VITÓRIA – ES

8. ILAINA DAMASCENO PEREIRA. RITUAL E PERFORMANCE NA CRIAÇÃO DO ESPAÇO PÚBICO NA FESTA DE IEMANJÁ EM FORTALEZA (CE)

9. JAMILA REIS GOMES. O SARAU DA PERIFERIA E O LUGAR DO SENSÍVEL

10. KARINA EUGENIA FIORAVANTE, ALMIR NABOZNY. GEOGRAFIA E CINEMA: UM DIÁLOGO A PARTIR DAS REPRESENTAÇÕES DAS CIDADES NOS FILMES DE FICÇÃO CIENTÍFICA

11. LINO AZEREDO DA SILVA TEIXEIRA. A MÚSICA DO TERRITÓRIO E O TERRITÓRIO DA MÚSICA: O FUNK E OS BAILES NAS FAVELAS DO RIO DE JANEIRO

12. LUISA CRISTINA NONATO, ALINE NEVES RODRIGUES ALVES. “CIRCUITO SERRA: TRANSITANDO NA QUEBRADA” – UMA EXPERIÊNCIA EDUCATIVA COM GRUPOS SOCIOCULTURAIS JUVENIS DO AGLOMERADO DA SERRA (BH/MG)

13. MANUELA CRISTINA RÊGO DE CARVALHO. MOVIMENTOS DE RESISTÊNCIA E CULTURA NA CIDADE DE NATAL-RN: A CRIAÇÃO DOS LUGARES A PARTIR DAS INTERVENÇÕES TEMPORÁRIAS.

14. MARCOS ANTONIO DA SILVA FERREIRA. UMA LEITURA GEOGRÁFICA DA CIDADE DE IGUATU-CE A PARTIR DO ROTEIRO CINEMATOGRÁFICO DE “O CÉU DE SUELY”

15. MICHELE SILVA MAURER. COLETIVOS JUVENIS: TERRITÓRIO E PROJETOS DE VIDA DE JOVENS VALADARENSES

16. MONIQUE BEZERRA DA SILVA. AS ESPACIALIDADES DE PERTENCIMENTO E EXISTÊNCIA DAS TURMAS DE FANTASIA NO CARNAVAL DA PERIFERIA CARIOCA

17. NAIANE SILVA SANTOS. COMUNICAÇÃO E RESISTÊNCIA NO AGLOMERADO DE BAIRROS NORDESTE DE AMARALINA

18. NAIRA SANTANA PITA. BASÍLICA SANTUÁRIO SENHOR DO BONFIM: ANÁLISE DA INTERFERÊNCIA NO BAIRRO DO BONFIM

19. PAULO WENDELL ALVES DE OLIVEIRA. A CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE-CE ENQUANTO ESPAÇO ESPACIALIZANTE DO CATOLICISMO POPULAR SERTANEJO

20. RAFAEL CARVALHO FERNANDES PEREIRA, ANDRÉ ARAÚJO ALMEIDA. CONTROLE E MODELAGEM DA PAISAGEM URBANA: O CONJUNTO SÃO VICENTE DE PAULO E A REAPROPRIAÇÃO CULTURAL DO ESPAÇO.

21. REBEKA GIRARDI KNOP, CARLOS EDUARDO SANTOS MAIA. “O MONUMENTO É DE PAPEL CREPOM E PRATA”: DA APARÊNCIA À RESISTÊNCIA LGBTQI+ NA RAINBOW FEST – JUIZ DE FORA (MG).

22. TATIANA CANIÇALI CASADO, GUSTAVO ZAMPRONI GOMES. AS ÁGUAS E A MODERNIZAÇÃO URBANA: HIGIENISMO E BANHO DE MAR EM VITÓRIA, ES (DEC. 1850-1950)

 
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910